...COM CARINHO...

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Um Caminho a Construir

(imagemcolhida no site

***
Viver é caminhar.
Porque a VIDA é um caminho a percorrer.
Um único caminho. Caminho cheio de surpresas, de encantos,
de beleza, de dificuldades também.
Porque nós mesmos construímos o caminho a percorrer.
Não sozinhos, mas com aquele que caminha ao nosso lado,
partilhando das mesmas surpresas e peripécias do caminho.
Um caminho às vezes penoso para construir, espinhos para arrancar,
árvores para derrubar, ervas e cipós para destruir,
pedras e barreiras para aplainar, valetas e buracos para fechar.
Não é fácil construir o próprio caminho.
Muito mais simples é andar de carona.
Muito mais cômodo é andar pelo caminho que os outros construíram.
Muito mais simples é ignorar as árvores, os cipós,
as pedras, as rochas, as valetas, os morros e passar por cima,

por baixo, pelos lados,
por onde der, deixando aos outros o trabalho de derrubar e construir.
Nada mais simples que esperar acontecer.
Porém nada menos digno, nada menos humano, nada menos cristão.
(Desconheço a autoria)


Um comentário:

  1. BONS AMIGOS [Machado de Assis]
    Abençoados os que possuem amigos, os que os têm sem pedir. Porque amigo não se pede, não se compra, nem se vende. Amigo a gente sente!
    Benditos os que sofrem por amigos, os que falam com o olhar. Porque amigo não se cala, não questiona, nem se rende. Amigo a gente entende!
    Benditos os que guardam amigos, os que entregam o ombro pra chorar. Porque amigo sofre e chora. Amigo não tem hora pra consolar!
    Benditos sejam os amigos que acreditam na tua verdade ou te apontam a realidade. Porque amigo é a direção. Amigo é a base quando falta o chão!
    Benditos sejam todos os amigos de raízes, verdadeiros. Porque amigos são herdeiros da real sagacidade. Ter amigos é a melhor cumplicidade!
    Há pessoas que choram por saber que as rosas têm espinho. Há outras que sorriem por saber que os espinhos têm rosas!

    Minha Amiga Querida,
    Abençoada semana,
    Beijuss

    ResponderExcluir

 
©2007 '' Por Elke di Barros